quinta-feira, 31 de agosto de 2017

HÁ MAIS DE QUATRO ANOS SEM AQUISIÇÕES DE CADEIRAS PARA O MUNICÍPIO, PREFEITO NÉLIO AGUIAR AUTORIZOU A ABERTURA DE LICITAÇÃO PARA A COMPRA DE NOVAS CADEIRAS PRA SUPRIR AS ESCOLAS DO MUNICÍPIO. TEM ALUNO SENTANDO NO LIXEIRO PRA PODER ESTUDAR


A foto, divulgada nas redes sociais, é na escola municipal Padre João Felipe Bettendorf, no bairro Elcione Barbalho. Prefeito Nélio Aguiar já autorizou abrir licitação para a compra de cadeiras.

A falta de cadeiras em algumas escolas da rede pública municipal de Santarém, no oeste do Pará tem tirado o sossego de alunos que precisam estudar. Uma foto que circula nas redes sociais há pelo menos uma semana, mostra um estudante que precisou sentar na lixeira da sala para poder participar da aula.

O registro, feito na escola municipal Padre João Felipe Bettendorf, no bairro Elcione Barbalho, já levantou debates e chamou a atenção de muita gente. A Secretaria de Educação (Semed) informou que trabalha na abertura de um processo administrativo para a compra de cadeiras e mesas para as escolas a pedido do prefeito Nélio Aguiar.

Há mais de 4 anos não se faz compra de cadeiras paras as escolas do município.

De acordo com direção, o número de alunos na escola Padre João Felipe Bettendorf passou de 600 para 890 em 2017. Só no turno da tarde são 450 alunos para 250 cadeiras disponíveis. A escola não esperava receber tantos estudantes de uma única vez. Os alunos precisam se virar, ir de sala em sala em busca de cadeira, e nem sempre conseguem.

A estudante Valéria Azevedo é da mesma turma do estudante que usou a lixeira para sentar. Ela disse que até a cadeira do professor é cedida aos alunos. “Quando ele chegou não tinha mais nenhuma cadeira. A mesa estava quebrada. A única coisa foi pegar a lixeira e virar ao contrário para poder estudar, senão”, disse.

JK com informações do G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Servidor da CELPA deixa caminhão parado na rua e revolta populares em Itaituba

Homem deixou o veículo no semáforo e entrou em um banco; CELPA já tomou providências sobre o caso. A ação ousada de um funcionário ...