I

I

sábado, 26 de agosto de 2017

Último desaparecido de naufrágio no rio Xingu é encontrado em Uruará, no Pará; buscas são encerradas

Imagem
Francisco Paiva é 29º sobrevivente encontrado após o naufrágio do navio Capitão Ribeiro. Com isso, a Segup encerra as buscas e cA Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup-PA) informou na noite desta sexta-feira (25) que foi encontrado o 29º desaparecido do naufrágio da embarcação Capitão Ribeiro no rio Xingu, ocorrido na noite da última terça-feira (22).

 Com isso, a Segup encerrou as buscas por mais sobreviventes. Veja quem são as vítimas do naufrágio no Rio Xingu, no Pará.

Segundo o órgão, Francisco Paiva foi resgatado por ribeirinhos e seguiu para o município de Uruará, onde foi localizado. Com isso, o órgão de segurança deu por encerrada as buscas por sobreviventes e continuará o trabalho de investigação que levou o naufrágio do navio no rio Xingu. A tragédia contabilizou 29 sobreviventes e 23 mortos.

Na tarde desta sexta-feira, o penúltimo desaparecido encontrado foi Israel da Silva Sousa. Ele foi resgatado por moradores de uma comunidade ribeirinha e levado para vitória do Xingu. Lá, Israel recebeu atendimento e, por conta própria, seguiu para Santarém. Uma equipe da Defesa Civil foi até o local e confirmou que ele estava vivo.

Ainda nesta sexta-feira, foram velados, na casa de familiares, os corpos das duas crianças encontradas. Os dois irmãos eram de Porto de Moz.ontinua trabalhando na investigação que levou ao naufrágio da embarcação.MAPA - Naufrágio de barco no Rio Xingu, no Pará - atualizado em 24/8 (Foto: Arte/G1)A Marinha do Brasil informou na última quarta-feira (23) que o naufrágio do navio Capitão Ribeiro, na última terça-feira (22) foi o sexto ocorrido no Pará em 2017. Segundo o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipan), o tempo estava fechado e ventava muito no momento do naufrágio.

Irregularidades

No dia do naufrágio no Rio Xingu, no Pará, o barco Capitão Ribeiro informou à Marinha do Brasil que levava apenas 2 passageiros. Em depoimento à polícia, o dono da embarcação confirmou que transportava cerca de 50 pessoas naquela terça-feira (22) e que não havia controle de quantas embarcavam em Santarém, no oeste do estado. Alcimar Almeida da Silva afirmou ainda que fez um trajeto muito maior do que o autorizado pela Marinha.

O governo do Pará, que chegou a estimar que 70 pessoas estariam a bordo, trabalha agora com o número de 52 pessoas. A embarcação não podia transportar passageiros, segundo Agência Estadual de Regulação e Controle de Serviços Públicos (Arcon-PA).

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do estado (Segup), o proprietário do barco disse à polícia, nesta quinta-feira (24), que há cerca de 3 anos viaja com autorização da Marinha até o município de Prainha (PA).

 No entanto, no dia do naufrágio, o barco iria para Vitória do Xingu (PA), num trajeto que é cerca do dobro do autorizado – 380 km a mais. O acidente ocorreu numa área denominada Ponte Grande do Xingu, entre Porto de Moz e Senador Porfírio.

A Marinha informou que toda vez que uma embarcação se desloca deve ser feito um "despacho de saída" comunicando o percurso, sendo que quando a rota é feita com frequência, pode ser emitido um "despacho por período", com prazo máximo de 90 dias.

No caso da embarcação Capitão Ribeiro, foi emitido um despacho com prazo até 20 de outubro de 2017 para o trajeto Santarém - Prainha (PA), que é de 170 km.

O Ministério Público do Pará irá apurar se o piloto estava habilitado para conduzir o barco com aquela quantidade de passageiros. A pedido do órgão, também foi requisitado que a Polícia Civil de Porto de Moz instaure um inquérito policial para apurar a responsabilidade criminal dos proprietários da embarcação.

Via G1 Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário